Saber cativar é saber ganhar – Coluna nº 40

Muita gente, ao expressar conhecimento, expressa também uma arrogância incontida, um ar de superioridade desmerecido. E a arrogância destrói a admiração e tantas coisas boas que poderiam ser vivenciadas numa conversa entre duas ou mais pessoas.
Ser arrogante é, ao mesmo tempo, ser chato. E ninguém quer gente chata por perto, por mais inteligente que seja.
Lembrei-me do dono de um bar da Lapa, jovem e bonito. Nunca tinha estado naquele lugar e, portanto, tudo era novidade. Ele dirigiu-se à minha mesa, onde estava com minha amiga. Achei-o até então simpático e prestativo. Trouxe-nos o cardápio e se apresentava bem solícito. Havia petiscos muito interessantes e no cardápio alguns recadinhos engraçados justificavam o preço de alguns comes e bebes. “Bolinho de bacalhau R$ 8 – tá achando caro? Ele não é feito de Sazon e massa”, dizia.
Escolhemos o que queríamos comer e, sem ao menos sinalizar que já tínhamos o pedido, o jovem dono se antecipou, prestativo, para nos atender. Falamos os comes. E quando minha amiga decidiu pedir uma cerveja nacional – diante de uma variedade de versões importadas que aquele lugar dispunha – o bonito moço começou a se transformar num Dick Vigarista ou mesmo naquele príncipe intragável do filme do Shrek. Usou da arrogância para tentar demover-nos da escolha. “Ah, mas você já viu a pesquisa da faculdade [blablablá] que saiu no jornal [blablablá] sobre esta cerveja? Isto aqui só tem milho!”, ruminava o moçoilo.
Contivemos, de fato, nossos impulsos de “fazer guerra” por pouco. A forma como aquele jovem se posicionou foi, além de arrogante, inconveniente, ainda mais para um comerciante que precisa saber cativar clientes. Ele, assim como tantos de nós, usa a arrogância para tentar mudar o outro, com aquela justificativa de que “eu sei do que estou falando”. Mas este saber é mesmo o saber que faz a diferença? É preciso saber usar o conhecimento para o bem.
Precisamos aprender a cativar. Precisamos aprender a falar de uma forma que não seja ofensiva, mas seja apaziguadora. Há muitas situações em que preferimos lançar mão da altivez ao invés da sabedoria, deixando um ego inflar-se, pondo a perder tantas coisas boas, tantos aprendizados.
Subjugar não é ser superior. Subjugar é desperdiçar oportunidades. Como diz o Pequeno Príncipe: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
Portanto, que possamos cativar mais. E cativar fazendo menos conflitos e mais (boas) descobertas. Trocas. Ganhos. Porque quem cativa sempre ganha. E ganha o melhor que temos diante e dentro de nós.Imagem

Anúncios

6 comentários sobre “Saber cativar é saber ganhar – Coluna nº 40

  1. Olá, meu nome é Julio, e hoje aqui no meu trabalho me deparei com o que voce escreveu no jornal Metrô News. Muito bom, gostei. Vou até seguir o seu blog, Abraços e muito sucesso.

  2. Chegou-me as mãos um exemplar atrasado do Metrô News, bem mais completo com relação às antigas edições. Adorei sua coluna.
    Com relação “Saber cativar é saber ganhar” maioria dos comerciantes atuais e empregados dos mesmos não sabem dar atentimento prestativo e cordial. Boa parte das vezes quando os cumprimentamos com um “bom dia,boa tarde,obrigado” não retribuem. Senhor Samuel Klein,deveria dar aulas para eles,como tratar um freguês.

    Shalom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s