Gente que tem histórias – Coluna nº 43

Lembranças são necessárias. Não todas, é verdade. Há algumas que mais vale esquecer. E outras que faz bem lembrar. Elas fazem parte da vida, portanto, não dá para jogar tudo fora, limando o passado como se não tivesse havido histórias e tampouco personagens.
E há personagens por todos os cantos, que nos sorriem e nos descortinam um universo de vivências, causos dos mais hilários possíveis e aprendizados todos os dias. Talvez não estejamos atentos a eles o quanto deveríamos por estarmos tão conectados ao celular ou ao egoísmo da falta de partilha com os outros.
Mas há oportunidades únicas. Um encontro com alguém a ser visto, talvez, uma vez na vida e só. Pronto. Entretanto, vez esta suficiente para que este alguém seja marcado só por algo que disse. Talvez por uma frase ou apenas uma palavra. Nobre palavra lembrada por anos a fio. Ah, e isto é um pouco do bem partilhado, soprado aos ventos diante de nós! Não dá para perder, ignorar, ser insensível.
Gosto de conversas e gosto da gente do dia a dia. Sim, da moça que serve o café, do rapaz que atende a mesa, do feirante que presenteia com um maço de hortelã fresquinha, porque agrados genuínos fazem bem… E toda esta gente tem sempre uma história. Algo único delas.
Numa destas conversas, minha amiga do café contou-me das peripécias no transporte público, das quedas no coletivo e da criatividade dos motoristas nas respostas aos passageiros. “Vai pela Dutra?”, perguntou. “Não, pela Disney”, respondeu o condutor. Ah, é preciso ter bom humor para aguentar o dia a dia no trânsito, né?
Tudo bem que tem os motoristas estressados, ignorantes. Mas não são todos. Tem um monte de gente do bem, que trabalha para valer, respeita os passageiros e o que é melhor: dirige com prudência. E há umas figuras impagáveis. Aqueles caras galanteadores, que não dispensam óculos escuros tipo aviador, e que ainda mantêm aquele velho costume de deixar a unha do mindinho maior que as outras para a “assepsia” diária, seja do nariz ou do ouvido. Vai dizer que nunca viu? Há, há, há.
Lembrei de um motorista da minha infância: o Juvenal. O “Juvena” não tinha boca para nada. Nunca ofendeu ninguém e aguentava um monte de crianças enchendo o saco, naquele ônibus velho e sempre lotado às 6h30. Era um motorista parceiro, daquele que vai devagar quando não te vê no ponto e que dá ré se te vê correndo para não perder o busão. E aí eu vejo que a gente precisa de mais coletividade, sabe. De mais apertos de mão e bom dia. Mais parcerias do bem. Porque assim teremos e seremos também boas lembranças. Para alguém ou para nós mesmos.

Image

Anúncios

2 comentários sobre “Gente que tem histórias – Coluna nº 43

  1. E boa Viagem!!!!!Cada história pitoresca!!!! Dá um livro. Bjus querida Continue viajando em suas imaginações!!!!!Bjus 10000000000000000000000000000

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s