Vértigo

Lá fora a lua sorria.

Para todo mundo ver.

Mas, os desmerecidos nunca a viram sorrir.

Talvez nunca a tenham visto com sentimento.

Deslumbramento.

Pausado no tempo.

Aqui dentro, muitas coisas já não são como antes.

Elas sorriem.

Deslumbram-se com o menor contentamento.

Mesmo quando uma túnica da vertigem recobre os pensamentos.

Coisas extremas dão tontura.

Tonteira.

Porque não são rotineiras.

E não devem ser.

Entorpecem pela singeleza do desconhecido.

Rompem.

Irrompem novas emoções.

Assim.

Como vertigem.

Mas, sensações reais.

Vertiginosamente.

Reais.

M. KIKUTI

light_ball

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s