Na ponta dos pés

Houve litígio.

Houve um abismo.

Entre sabedoria e inconsciência.

Na ponta dos pés, a força de não fraquejar.

O ar rarefeito.

Tudo estava desfeito.

E o vento a desencorajar.

Conhecestes o medo?

Inquieto, renascia nas vibrações.

Na instabilidade.

Do corpo e da mente.

No equilíbrio perdido.

Na ponta dos pés.

No braço que estende.

Mas não afaga.

Na mão que apaga.

O que construiu.

Nos pés que levam.

Adiante a caminhada.

Na força que enfraquece.

Mas, enobrece.

Quem não desiste.

De se equilibrar.

Na ponta dos pés.

Na ponta.

Dos pensamentos.

Na ponta.

Da língua.

M. KIKUTI

Imagem

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s