Deixa-te cavoucar

digging

Na vida, a gente se depara com desafios. Enfrenta a morte de alguém que a gente ama. E enfrenta ser dado como morto também. Ambos doem, embora numa proporção distinta.

Acredito que tudo, absolutamente tudo, vem ao nosso encontro para nos proporcionar uma evolução espiritual. Nada é por acaso. Tudo tem um “para quê”. Tem algo que vai mexer profundo, mas a gente tem de estar aberto a isto.

Estar aberto a ser mexido, chacoalhado, cavoucado por um turbilhão de emoções.

Hoje eu recebi um presente do inesperado. Um presente que a gente precisa desembrulhar vez ou outra para não deixar a esperança desvanecer.

Alguém maior olha por nós.

E outros também nos querem bem.

Vi este bem querer nas palavras e nos olhos de alguém, que me parou de repente. Que demonstrou seu amor pelo meu trabalho.

Que marejou os olhos por poder falar comigo e me abraçar.

Que disse rezar por mim todos os dias.  E cada oração, meu Deus, é sempre bem-vinda!

Que disse querer ver o lançamento do meu primeiro livro. E eu também quero.

Que disse me amar como uma filha, no momento em que enfrento a rejeição da minha mãe de verdade, que não aceita minhas decisões e minha orientação sexual.

Ah, eu recebi um presente…

Ainda há anjos entre nós.

Ainda há bem no mundo.

Ainda há gente de bem.

Ainda há amor.

Nosso Senhor.

(Este texto é uma homenagem à minha leitora, dona Arminda de Moura Galacci, e a todos que me querem bem. Amém)

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s