Interrompa a maldade

30_181116_foto
A maldade está solta por aí. Chega por meio de fofoca, de má intenção, de prazer em ver o outro sofrer, sem qualquer sentimento de “injustiça”. A maldade impregna a família, mãe, irmão, colegas de trabalho, gente na rua que não se conhece. E a maldade cresce quando a gente a aceita, dá a mão para ela e se acostuma a andar junto.

Quando a gente enxerga a maldade e mesmo assim acredita que ela é inofensiva, estamos limando um pedaço de bondade dentro da gente. E a maldade cresce com o fermento do rancor, da raiva, da inveja, da vingança, entre outras coisas horríveis.

Ninguém é imune à maldade. Todos somos vítimas uma hora ou outra da mesquinhez alheia. Mas compete aos de bom coração enxergar esta maldade com os olhos da verdade: enxergar com o coração e interrompê-la. Não deixar que ela tome morada dentro da gente. Afinal, o mal que os outros nos fazem é de responsabilidade deles. Cada um terá a implacável sentença da “Lei do Retorno”. Pode demorar, mas sempre chega.

Aos de bom de coração, portanto, é preciso cuidar muito bem deste bom coração. Alimentá-lo com o bem. Cultivar o amor, sempre e unicamente. Porque o amor, que anda junto com o perdão, é ainda o melhor remédio para os maus. É, também, o melhor remédio para a maldade e para os duros de coração.

(ESTE TEXTO INTEGRA A COLUNA EMPÍRICA&CRÔNICA PUBLICADA ÀS SEXTAS-FEIRAS NA FANPAGE GUARULHOS TEM, DA PREFEITURA DE GUARULHOS)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s